Por que escrevo?
Escrevo para não morrer.

(José Saramago)

sábado, 21 de dezembro de 2013

RETALHOS



Dizem que ando com olhos doces
E não saio de roupa sem alinhavo.
Visto a encenação de Penélope
Que de amor do amor se despe.

Não anoiteço um dia sequer por aí
Polímnia esconde Dionísio em mim.
E minha voz esvai-se em roucos arpejos
Que vejo, ouço e enfim te revejo.

Meu Apolo não vem ao poema
Porque beija a nudez de Calíope.
Enamorada e sem retalhos de gozo
Meu corpo deixa cair a última peça
da poesia que suspira a tua ausência.

Um comentário:

Débora Tavares disse...

Linda!
"Meu corpo deixa cair a última peça
da poesia que suspira a tua ausência."
Queria ter assim me expressado...