Por que escrevo?
Escrevo para não morrer.

(José Saramago)

sexta-feira, 5 de abril de 2013

TUAS VÉRTEBRAS EM MIM


(Retorno a um minuto eterno)

Eu queria inventar
um espelho mágico
para olhar-te como se vê um Deus.

Queria definhar meu corpo de Helena
Visitar a aura intocável de tuas vértebras
E desnudar tua pele como se toca o céu.

Se não bastasse teu sangue em mim
Buscar-te-ia na cicatriz de cada verso
Para eternizar a imagem de teu suspiro
Na veia triunfal de meu poema.

Um comentário:

Dante Gatto disse...

A tua poética permite um estudo do trágico na contemporaneidade. Este poema é significativo neste aspecto. Vou começar um estudo neste sentido.